Publié par : manuelsds | 16 juin 2011

Opinião, mudança na continuidade

Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

Opinião :: Mudança na continuidade

O texto de acordo de governo entre PSD e CDS/PP, intitula-se « Maioria para a Mudança ». Ora se as coisas vão mudar, cabe-nos a nós tentar perceber onde, quando e como. Lendo o texto vejo a palavra repetida mais algumas vezes e até vejo que a bandeira nacional encabeça todas as cinco páginas do acordo, mas de verdadeira mudança não encontro nada. Encontro continuidade. Leio que vamos continuar a « vender » o país sem grande critério, apenas porque é preciso fazer dinheiro para pagar as dívidas, leio que o remédio para a doença que o país tem será dado pelos mesmos que nos infectaram com essa doença. Escrevo país com um « p » minúsculo porque é assim que ele está, pequenino, com medo de levar mais bofetadas dos « mercados ».

Foquemo-nos agora em dois aspectos, a justiça e a Segurança Social. Relativamente à primeira, é dito que se quer « reformar a justiça, tendo em vista a obtenção de decisões mais rápidas e com qualidade ». Ora aqui está a mudança e uma mudança realmente necessária, mas depois lembro-me que já no tempo em que António Guterres era primeiro-ministro, PS e PSD celebraram um acordo inviolável para reformar a justiça. À primeira chance esse acordo foi quebrado, portanto continuamos a necessitar que essa reforma seja feita, nada de novo, nada de mudança.
Diz este acordo que quer « garantir o Estado Social » defendendo « nomeadamente os pensionistas com pensões mais degradadas ». Mais abaixo, é dito que se quer reformar a « Segurança Social, garantindo a sua sustentabilidade, a solidariedade inter-geracional e a progressiva liberdade de escolha, nomeadamente dos mais jovens. » A liberdade de escolha que estes jovens vão ter é a de não deixarem que PSD e CDS/PP cumpram este acordo. Não fazendo descontos para a Segurança Social, a solidariedade inter-geracional não será cumprida impossibilitando que as pensões mais degradadas sejam defendidas. Portanto, este é outro ponto em que a mudança se deve ler continuidade. A verdadeira reforma que se pretende fazer na Segurança Social é descapitalizá-la de vez para que também ela possa ser « vendida » a preço de saldo.
A única mudança presente neste acordo, é a única que não interessa, é a mudança de método. Todas as medidas que o governo de José Sócrates não teve coragem de tomar, mesmo de forma encaputada, serão agora postas em prática às claras pelo governo desta « Maioria para a Mudança ».
Quero ainda relevar que há uma « preocupação central com a pessoa humana » neste acordo. Encontro aqui um conflito de interesses entre o nosso próximo governo e os « mercados », pois quer-me parecer que nos « mercados » as pessoas não são tratadas como humanas, e chego mesmo a pôr em causa se o serão como pessoas.
Por agora resta-me esperar algum tempo até ver a máquina a funcionar e dizer que o meu silêncio está pronto para se transformar em grito. Apelo ao resto das pessoas humanas que façam o mesmo.
André Albuquerque
Publicités

Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s

Catégories

%d blogueurs aiment cette page :