Publié par : manuelsds | 16 juin 2011

António Barreto quer que se trabalhe até morrer

Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

António Barreto quer que se trabalhe até morrer

O sociólogo António Barreto, responsável por dois dos produtos mais frescos do Pingo Doce (Fundação Francisco Manuel dos Santos e Pordata), defendeu esta quarta-feira que a idade da reforma não deve ser fixada pelo Estado.

Á margem do lançamento de mais um folhetim da referida Fundação da empresa de Soares dos Santos (Grupo Jerónimo Martins), Barreto afirmou que porque o « país atravessa um momento muito sério » é « absolutamente pertinente » que se aborde a questão da terceira idade por razões de produtividade, de emprego e de sustentabilidade social. Assim, defendeu que se pudesse trabalhar para além dos 65, dos 70 ou mesmo dos 75 anos.


Esta visão do envelhecimento é grave e retrógada do ponto de vista social. Com o aumento da esperança média de vida e com o envelhecimento da população, causado por uma taxa de natalidade muito baixa que radica em fenómenos como a precariedade, é certo que a Segurança Social necessita de um novo modelo de financiamento. Á boleia da insustentabilidade do modelo de financiamento da Segurança Social o Governo PS realizou uma reforma impondo um factor de sustentabilidade que resultou no aumento da idade da reforma e na diminuição das pensões futuras.

Mas há outras maneiras de financiar a Segurança Social, pois não faz sentido que, em pleno séc. XXI, ainda se mantenha o sistema do séc. XIX. Hoje uma empresa com mais empregados e menos facturação paga muito mais de contribuição para os regimes de previdência do que uma que só tem um ou dois empregados e que factura muito mais.

A Segurança Social está sobre ataque, como já temos denunciado (aqui e aqui), e os Precários Inflexíveis não aceitam que se desmantele esse sistema de redistribuição da riqueza e de protecção social e que se condenem as pessoas a trabalhar até morrer. Se se melhorou a esperança média de vida, esse tempo extra de vida deve, em nossa opinião, ser aproveitado pelos mais velhos a realizar as actividades que estes desejam. Aliás, estranhamos que num momento de desemprego recorde, Barreto defenda medidas que iriam piorar o desemprego (porque não haveria entrada de novos trabalhadores nas empresas) e reduzir a competitividade (porque com esses mais novos poderão vir novos conhecimentos).

Se António Barreto defende os interesses e os produtos do Pingo Doce, nós respondemos com a defesa dos interesses do país e dos trabalhadores, novos e velhos.

Notícia TSF com som aqui.
Publicités

Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s

Catégories

%d blogueurs aiment cette page :